Somos especializados comercializar café verde e pimenta do reino dos maiores exportadores brasileiros.

Somos especializados comercializar café verde e pimenta do reino dos maiores exportadores brasileiros.

CAFÉ

 

O Brasil é a maior produtor de café no mundo, o cultivo de café no Brasil teve início no século XVIII, mas apenas no século seguinte a produção foi grande o bastante para torná-lo o principal produto da economia do país.

Bebida originada no século IX, na Etiópia, o café difundiu-se verdadeiramente pelo mundo através da Europa e do Egito. A primeira muda de café chegou ao Brasil, segundo lenda, em 1727. Cem anos depois se tornou o principal produto da economia brasileira. A partir da segunda metade do século XIX, sua comercialização promove profundas mudanças no país, que sinalizam que a economia e a sociedade brasileira iniciaram seu processo rumo ao capitalismo.

O café é um marco no processo histórico brasileiro de formação da economia nacional: ele está na origem da formação capitalista nacional, isso explica tanto sua importância econômica quanto sua popularidade. Hoje o café não é mais o principal produto da economia brasileira, mas ocupa com importância a sétima posição no ranking. Além disso, o Brasil é o maior produtor de café do mundo, além de ser o segundo maior consumidor da bebida.

Nossa produção vai desde os cafés Robusta, até os Arábicas comerciais e especiais provenientes de diferentes regiões brasileiras como Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo, entre outras. A NA Corretora trabalha ativamente todas estas regiões, portanto, pode oferecer as qualidades de café que seus clientes buscam no mercado brasileiro.

DADOS ATUALIZADOS DE COMÉRCIO

 

Os preços do café arábica vêm diminuindo devido às expectativas de uma safra brasileira recorde em 2018/2019 e o aumento da oferta de outros grandes produtores. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a colheita do Brasil deve chegar a 44,5 milhões de sacas dos cafés arábica mais finos. Isso resultaria em cerca de 44% da safra global do mundo, ante 41% no ano passado. A Conab, agência estatal de informação agrícola do Brasil, está prevendo uma colheita recorde de 58 milhões de sacas e, de acordo com o Financial Times, algumas estimativas dos comerciantes chegam a 65 milhões. Esses números provavelmente incluem a colheita dos menos desejáveis ​​grãos de café Robusta, que o USDA estima que chegarão a 15,7 milhões de sacas em 2018/2019. Cada saco pesa cerca de 60 kg ou 130 libras, portanto, é muito café.

Com as projeções para a safra tão altas, os fundos hedge e outros especuladores entraram no mercado para apostar contra os preços do café nos mercados futuros, uma aposta que se tornou ainda mais atraente devido ao enfraquecimento do real brasileiro. Um real fraco é atraente para os produtores, pois significa que eles poderão ganhar mais dinheiro com as vendas em dólar ao converter o dinheiro de volta em sua moeda nacional, dando-lhes um incentivo para produzir e vender mais.

Embora o real tenha se fortalecido nas últimas semanas, recuperando algumas das perdas do mercado emergente em abril, economistas esperam que o real permaneça nos níveis atuais e chegue a US $ 3,70 ao final do ano. Em 2019, é esperado que o Real é feche em 3,65 por dólar.

Contudo, os baixos níveis atuais de preços do café significam que a venda nesses níveis mal cobriria o custo de produção, então os produtores podem preferir vender o mínimo necessário e segurar o resto para esperar que os preços subam.

PIMENTA DO REINO

 

Um dos maiores produtores de pimenta do mundo, o Brasil oscila entre a segunda e a terceira posição. Devido às boas condições naturais para a produção, a principal característica da pimenta do reino brasileira é a de ter maior densidade e tamanho, em comparação com a de seu principal concorrente, o Vietnã.


No Brasil, produção anual é crescente, atualmente está em torno de 80.000 toneladas, a expectativa é de aumento no volume de produção em 2019, pelo crescimento no número de produtores. Os fornecedores adequam a secagem da pimenta ao gosto do comprador, podendo ser secagem ao sol ou mecânica (menos custosa).

Os principais importadores das pimentas brasileiras são: EUA, Alemanha, Espanha, México, França, Vietnã, Austrália, Egito, Paquistão e Índia.

PIMENTA DO REINO

 

Um dos maiores produtores de pimenta do mundo, o Brasil oscila entre a segunda e a terceira posição. Devido às boas condições naturais para a produção, a principal característica da pimenta do reino brasileira é a de ter maior densidade e tamanho, em comparação com a de seu principal concorrente, o Vietnã.


No Brasil, produção anual é crescente, atualmente está em torno de 80.000 toneladas, a expectativa é de aumento no volume de produção em 2019, pelo crescimento no número de produtores. Os fornecedores adequam a secagem da pimenta ao gosto do comprador, podendo ser secagem ao sol ou mecânica (menos custosa).

Os principais importadores das pimentas brasileiras são: EUA, Alemanha, Espanha, México, França, Vietnã, Austrália, Egito, Paquistão e Índia.

 

    /nacoffeepepper

   E-mail: info@aa4b.com

   Office Phone nbr.: +55 (11) 3508-1920

   Cellphone: +55 (11) 98546-9231

   Address: Avenida Paulista, 2.200 Conjunto 161, 16º Andar

 

    /nacoffeepepper

   E-mail: info@aa4b.com

   Office Phone nbr.: +55 (11) 3508-1920

   Cellphone: +55 (11) 98546-9231

   Address: Avenida Paulista, 2.200 Conjunto 161, 16º Andar

× WhatsApp